BALEIA oficializa candidatura ao comando da Câmara e mira segurar traições

 BALEIA oficializa candidatura ao comando da Câmara e mira segurar traições

O deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP) lançou oficialmente na quinta-feira, 7 de dezembro, sua candidatura à Presidência da Câmara com o apoio do atual comandante da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e de bloco composto por 11 partidos, tanto de centro quanto de esquerda – MDB, PSDB, DEM, PSL, Cidadania, PT, PSB, Rede, PCdoB, PDT e PV.

Seu principal oponente na disputa é o líder do Centrão bolsonarista, deputado Arthur Lira (PP-AL), candidato com a benção do Palácio do Planalto. Outros três deputados também se lançaram, mas não são vistos com chances reais de vitória: Capitão Augusto (PL-SP), Fábio Ramalho (MDB-MG) e André Janones (Avante-MG).

aleia chegou ao evento em um dos salões da Câmara acompanhado de Maia e líderes aliados. Em discurso, se focou na defesa de uma Casa independente do Executivo e de união entre os parlamentares para o desenvolvimento do país, com críticas a comportamentos truculentos na política.

“Vivemos um momento histórico, sim. E vale esse registro, porque desde a redemocratização do nosso país não tínhamos um movimento de união de partidos que pensam diferente formando uma frente ampla. Existe um motivo para isso. Somos o que a sociedade espera. A sociedade quer mais união, compaixão, respeito, igualdade. A sociedade espera uma luta por democracia e liberdade”, declarou.

“Pensamos diferente o papel do Estado, a ação na economia. Em vários pontos nós divergimos. Mas, a beleza da democracia está no respeito e na boa convivência com quem pensa diferente de você. Não é porque a pessoa não concorda com suas teses que você precisa agredir, matar, diminuir as pessoas”, acrescentou.

Se eleito, Baleia pretende discutir a ampliação do Bolsa Família ou a volta do auxílio emergencial para a parcela mais pobre da população em meio à pandemia do coronavírus. Ao falar do auxílio emergencial, buscou transmitir a possibilidade de o centro e a esquerda trabalharem juntos, como quer seu bloco. Também foi exibido um vídeo de campanha que reforça essa união.

“Temos o dever de fiscalizar e de acompanhar as ações do Executivo. Exatamente por isso a Câmara não pode ser submissa”, disse.

Baleia começou a fala se solidarizando com as vítimas da covid-19 no Brasil e disse que o “respeito à ciência e a busca da vacina para todos é muito maior do que qualquer diferença”. Para ele, a vacina deve ser gratuita e a todos os brasileiros.

O candidato comunicou que, por sugestão de vários líderes, conversou com Maia para, se necessário, a Câmara e o Senado se reunirem durante o recesso em janeiro para votar medidas urgentes relacionadas à vacina contra a covid-19.

Baleia defendeu ainda o andamento de reformas, como a tributária. Uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) de sua autoria sobre o assunto tramita a passos lentos em comissão mista no Congresso.

Baleia é presidente nacional do MDB, líder da bancada do partido na Câmara e se coloca como um candidato independente do Planalto. Para a campanha, escolheu o slogan “Câmara livre. Democracia viva”.

Ainda assim, o candidato tem ótimo trânsito com os políticos do Centrão, que se transformou na base aliada de Bolsonaro no ano passado. O MDB também conta com membros da legenda como líderes do governo: no Senado, Bezerra Coelho (PE), e no Congresso, Eduardo Gomes (TO).

Lira e Baleia viajam atrás de votos
Após semanas de negociações, Baleia conseguiu fazer com que a oposição – com exceção do Psol, que ainda não decidiu se vai apoiá-lo ou lançar candidato próprio – ficasse ao seu lado. Para tanto, se comprometeu a analisar pedidos de abertura de CPIs (Comissões Parlamentares de Inquérito) quando tiverem as assinaturas mínimas necessárias, convocações de autoridades do Executivo e repelir atos de cunho antidemocrático, por exemplo.

Embora conte com esse apoio, Baleia agora mira segurar eventuais traições nessas siglas e até mesmo no DEM e PSL, por exemplo.

Lira já investe em conversas para atrair os votos de deputados de partidos que apoiam Baleia, mas são considerados desgarrados, e iniciou uma campanha em tour pelo país. Hoje, está Boa Vista e Manaus para encontros com as bancadas estaduais e governadores. Ontem esteve em Macapá e Belém.

A previsão é que Baleia comece a viajar pelo país nesta semana com o objetivo de evitar traições e atrair deputados, em tese, do lado de Lira. Na sexta (8), ele vai ao Piauí. Na segunda (11), a Santa Catarina e ao Distrito Federal. Nos dias seguintes, para Goiás e Ceará.

“Aposto na lealdade, na palavra e no diálogo com todos os parlamentares”, afirmou, ao ser questionado sobre possíveis dissidentes.

As campanhas dos candidatos acontecem intensamente também por telefonemas, mensagens e reuniões de videoconferência. A eleição interna dos deputados está prevista para a primeira semana de fevereiro.

Maia quer emplacar um sucessor de seu interesse e, após discussões internas, os partidos aliados a ele escolheram Baleia como o candidato do grupo. Sua candidatura foi anunciada em 23 de dezembro, mas ainda não havia sido lançada formalmente para esperar uma decisão do PT – o apoio dos petistas foi resolvido na segunda (4).

As siglas ao lado de Baleia Rossi somam, juntas, 261 parlamentares. No entanto, o voto é secreto e isso possibilita mudanças de opinião na hora da votação. Lira hoje reúne 196 parlamentares nas siglas que o apoiam – PL, PP, PSD, Republicanos, Solidariedade, Pros, Patriota, PSC e Avante.

Parte dos deputados federais mantém bom relacionamento com Lira e não quer perder a proximidade com o candidato que conta com a ligação direta com o Planalto – por trás estão mais possibilidades de verbas e indicações a cargos na administração pública.

Há ainda quem se ressinta da atuação do MDB no impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2016. Pedido de abertura do processo foi acatado pelo então presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB) e, após a aprovação do impeachment, Dilma acabou sendo substituída pelo então vice-presidente da República, Michel Temer, também do MDB.

Baleia ajudou Cunha a se eleger para a Presidência da Câmara, em 2015, e votou a favor do impeachment de Dilma. Hoje, busca minimizar a atitude, lembrando que o pai, Wagner Rossi (MDB), foi ministro em governos petistas e alegando que não tinha tanta influência dentro do Parlamento na época da cassação da petista.

Quem é Baleia Rossi?
Baleia tem 48 anos e nasceu em São Paulo, mas construiu a carreira política em Ribeirão Preto. Ele é casado e pai de três filhas. Formado em Direito, é político como o pai, Wagner Rossi, e se elegeu vereador de Ribeirão pela primeira vez aos 20 anos. Na época, teve o apoio de Ulysses Guimarães.

O nome de batismo de Baleia Rossi é Luiz Felipe Tenuto Rossi. Baleia começou como apelido irônico dos irmãos por ele ser muito magro e branco quando jovem. Inicialmente, ele não gostava tanto do apelido e começou a primeira campanha a vereador só usando Luiz Felipe. Mas, todos já o conheciam como Baleia, então, no meio do caminho, incentivado pelo avô, passou a usar o apelido. Passou até a usar um desenho de uma baleia como seu símbolo. Hoje, Baleia está incorporado ao seu nome.

Ele se reelegeu vereador de Ribeirão Preto outras duas vezes e foi secretário Municipal de Esportes por um ano. Depois, em 2002, se elegeu como deputado estadual, sendo reeleito em 2006 e 2010.

Em outubro de 2014, foi eleito deputado federal pela primeira vez. Agora, em seu segundo mandato, quer ser presidente da Câmara.

Baleia tem perfil mais discreto e conciliador no dia a dia da Câmara. Pouco mais jovem do que Lira, 51, busca se mostrar como candidato pró-reformas e com mais chances de unificar diferentes alas da Casa em meio à polarização política vivida no país.

Ele é autor de uma das propostas de reforma tributária em tramitação no Congresso. Ao longo de sua trajetória na Câmara, viu cinco proposições de sua autoria ou relatoria virarem normas jurídicas.

Portal Novos Tempos – Fonte: uol.com.br

Avatar

adauto Ferreira

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

E-mail: adautoferreira@portalnovostempos.gmail | WhatsApp (88) 9 9496-3098 | Rua Sargento Orlando S. Campos, 08 - Araripina (PE)