GOVERNADORES reagem à fala de Bolsonaro e prometem fazer apelo à China

 GOVERNADORES reagem à fala de Bolsonaro e prometem fazer apelo à China

A recente declaração do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com novas insinuações sobre a origem do coronavírus, desagradou governadores do país, que planejam se reunir com o embaixador chinês para tratar da chegada de insumos e de vacinas.

Em discurso na quarta-feira, 5 de maio, o presidente disse que estamos diante de “um vírus novo” e que “ninguém sabe se nasceu em laboratório ou nasceu por algum ser humano ingerir um animal inadequado”.

Sem citar diretamente a China, ele afirmou: “Os militares sabem o que é guerra química, bacteriológica e radiológica. Será que estamos enfrentando uma nova guerra? Qual país que mais cresceu seu PIB? Não vou dizer para vocês.”

Wellington Dias (PT), presidente do Fórum Nacional de Governadores e governador do Piauí, disse que a manifestação do presidente causa “curto-circuito” nas relações entre China e Brasil. Dias promete fazer um apelo as lideranças chinesas a fim de evitar atrasos nas entregas de insumos para vacinas.

O governador também busca de diálogo com o país asiático para tentar antecipar para este semestre 30 milhões de doses da coronavac – o lote ainda está sendo negociado pelo instituto Butantan. A expectativa inicial é de que seja enviado ao país após setembro. Vários estados já disseram ter interesse em comprar a remessa, caso o Ministério da Saúde desista.

“Os estados brasileiros querem seguir utilizando a vacina Coronavac. Estamos pedindo agenda [com a China] para tratar de dois temas: cronograma de entrega e antecipação de 30 milhões de doses previstas para setembro”, disse.

Eduardo Leite (PSDB), governador do Rio Grande do Sul, também disse estar preocupado com o impacto que a declaração de Bolsonaro terá nas próximas entregas de vacinas.

“Extremamente preocupante. Tem um ditado que diz: ‘muito ajuda quem não atrapalha’. Definitivamente não serve ao Presidente, que faz uma declaração lançando suspeitas e ataques sem provas sobre parceiro econômico importante e estratégico para a própria superação da pandemia.”, concluiu.

O governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), afirma que os governadores pedirão agenda com a embaixada chinesa para tratar do tema. Segundo ele, a declaração do presidente “não ajuda”. Barbalho afirma, porém, que os reflexos da fala de Bolsonaro, “só saberemos com o tempo.”.

Mais cedo, o governador de São Paulo, João Doria, e o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, já haviam repudiado o comportamento de Bolsonaro.

“Inacreditável que diante de uma circunstância em que precisamos salvar vidas, proteger vidas, e termos mais vacinas, tenhamos alguém criticando a China, grande fornecedor de insumos para a vacina. Isso já criou profundo mal estar na chancelaria e diplomacia chinesa.”, afirmou Doria.

À reportagem da CNN, o diretor do Instituto Butantan admitiu que há risco de “não ter mais vacinas” após o dia 14 deste mês, quando está prevista a última liberação de doses ao governo federal. Ele afirmou ter enviado mensagem a um conselheiro do embaixador da China no Brasil demonstrando “preocupação” com as declarações recentes do governo Bolsonaro.

“Existe dificuldade. Há uma burocracia mais lenta e há autorizações reduzidas de volumes [do IFA]. Essas declarações têm impacto, e ficamos a mercê. Não vamos ter, de fato, condições de entregar. Pode faltar? pode faltar. E temos que debitar isso, principalmente, do governo federal, que tem remado contra”, disse.

Apesar do receio dos estados, em audiência publica no Senado, o ministro das Relações Exteriores, Carlos França, que tem feito a ponte com a diplomacia chinesa, afirmou que não haverá atrasos nas entregas dos insumos.

“Hoje recebi, logo cedo, que o governo chinês havia autorizado a exportação de IFA, o previsto para o mês de maio. Eu acho que hoje não há nenhum problema político que nessa questão permeia ou atrapalhe essa nossa produção de vacinas aqui”, concluiu.

O Ministério das Relações Exteriores se manifestou em nota. Leia a íntegra abaixo:

“Em relação ao a informação do Instituto Butantan, divulgada na manhã desta quinta-feira (06), que poderá não ter mais vacinas depois do próximo dia 14 por atrasos na entrega de insumos.

Brasil e China dialogam e trabalham constantemente no enfrentamento da crise sanitária. A Embaixada do Brasil em Pequim acompanha permanentemente o processo de autorização de exportação de IFAs, atuando sempre com a agilidade necessária. Em diversas ocasiões, inclusive durante recente conversa telefônica do Ministro das Relações Exteriores, Carlos França, com o Ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, autoridades chinesas comprometeram-se em fazer todo o possível para cooperar com o Brasil neste momento de grave emergência sanitária causada pela pandemia de COVID-19 e reiteraram que eventuais atrasos não são intencionais, dado que a China está exportando IFAs para diversos países, o que gera expressiva demanda e sobrecarga nos trâmites burocráticos.

Atenciosamente,

Portal Novos Tempos – Fonte: CNN

Avatar

adauto Ferreira

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

E-mail: adautoferreira@portalnovostempos.gmail | WhatsApp (88) 9 9496-3098 | Rua Sargento Orlando S. Campos, 08 - Araripina (PE)