BOLSONARO volta a questionar urnas eletrônicas e ameaça TSE

 BOLSONARO volta a questionar urnas eletrônicas e ameaça TSE

Após receber alta hospitalar na quarta-feira (5), o presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a questionar a segurança das urnas eletrônicas e ameaçou o TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O mandatário disse, ainda, que o Ministério da Defesa enviou questionamentos ao órgão e que, se não se convencerem das respostas, “algo tem que ser mudado no TSE.”

“As Forças Armadas foram convidadas pelo ministro Barroso para participar das eleições. Aceitamos participar de todo processo eleitoral, sem exceção. E a [Ministério da] Defesa fez alguns questionamentos para o ministro Barroso, do TSE, sobre fragilidades das urnas eletrônicas. Estamos aguardando a resposta do TSE, pode ser que ele nos convença, pode ser que estejamos errados, agora, se nós não estivermos errados, pode ter certeza que algo tem que ser mudado no TSE”, declarou Bolsonaro.

“E não vai ser com bravata, de quem quer que seja no Brasil, que nós vamos aceitar o que querem impor à nossa população. O brasileiro merece eleições limpas e transparentes. E ninguém é dono da verdade aqui no nosso país. A lei vai ser cumprida e teremos eleições limpas e transparentes, pode ter certeza disso”, complementou.

De acordo com Bolsonaro, a preocupação não é com vistas às eleições à Presidência da República e, sim, com a segurança. “Sabemos até onde o outro lado pode chegar. Sabemos que a política brasileira, depois que a esquerda se fez mais presente, como eles são agressivos, como eles têm tentado eliminar o adversário, não interessa como. São fatos. E fatos não têm que questionar”, disse.

O mandatário acrescentou que há a certeza de que, neste ano, as eleições serão limpas e transparentes. “Os votos vão ser contados”, prometeu.

O ano passado foi marcado por ataques do presidente a Barroso. Ele questionou o ministro em diversos momentos e afirmou que “quem quer eleição suja e não democrática é o ministro Barroso”. No dia 12 de agosto, em transmissão ao vivo pelas redes sociais, ele chegou a chamar o ministro de “mentiroso” e “tapado”.

O cenário de questionamentos e ataques gerou manifestação de outros poderes, como a do presidente do Congresso Nacional e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que em julho do ano passado afirmou que a realização das eleições deste ano é “inegociável”, e que a realização do pleito “não decorre da vontade” de políticos, frisando o cumprimento da Constituição Federal.

Portal Novos Tempos – Fonte: http://xn--notcias-9ya.r7.com/

Avatar

adauto Ferreira

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

E-mail: adautoferreira1958@hotmail.com