20 de julho de 2024

BRASIL completa seis meses da confirmação do 1º caso do novo coronavírus

 BRASIL completa seis meses da confirmação do 1º caso do novo coronavírus

O Brasil completa, nesta quarta-feira (26), seis meses do primeiro registro de caso do novo coronavírus, que causa a Covid-19, no país.

Em 26 de fevereiro, o Ministério da Saúde divulgou a confirmação do primeiro caso positivo em solo brasileiro, e também em toda a América Latina.

Um homem de 61 anos que mora em São Paulo tinha retornado de uma viagem à Itália, país que no início de abril era um dos mais afetados pela doença. Posteriormente, governantes comentaram sobre indícios da presença da Covid-19 no país já antes disso.

O homem estava assintomático e foi deixado em quarentena domiciliar. À época, outras 30 pessoas que tiveram contato com ele ficaram em observação, segundo o ministério.
Em 26 de abril, o mundo tinha cerca de 81 mil casos confirmados do novo coronavírus. Hoje são quase 24 milhões, segundo contagem da Universidade Johns Hopkins.

Nessa segunda-feira (25), no último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde antes da data em que o primeiro caso completou seis meses, o Brasil totalizou 3.669.995 casos confirmados e 116.580 mortes.

Com esses números, o país é hoje o segundo mais afetado pela Covid-19 no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, que somaram no mesmo dia 5.769.024 de infectados e 178.129 mortos pela doença.

Os estragos da pandemia

Inicialmente considerada uma doença pulmonar, a Covid-19 se revelou uma doença sistêmica, que ataca diversos órgãos e funções do corpo. A necessidade de combater a inflamação generalizada, a atenção especial aos eventos circulatórios e a garantia da boa oxigenação do paciente são algumas das práticas que já se tornaram normais no atendimento à Covid-19.

Muitos apontam a falta de testagem como uma das causas para a grande incidência da doença no Brasil. Do início da pandemia no país até julho, cerca de 13,3 milhões de pessoas, o equivalente a somente 6,3% da população brasileira, tinham feito algum teste para diagnosticar a doença.

Para Moacyr Duarte, infectologista do Hospital Albert Einstein, um dos problemas para o aumento de casos no país foi a falta de diagnósticos. “Acho que o grande erro foi esse, não fazer o diagnóstico precoce.”

Segundo ele, essa medida “iria diminuir a disseminação da doença e fazer com que a população procurasse mais precocemente o Sistema Único de Saúde (SUS)”, evitando que as pessoas chegassem em estado tão grave nas instituições.

A pandemia teve um efeito devastador sobre o sistema de saúde do país, afetando também a produção industrial, o comércio e deixando milhares de brasileiros desempregados, o que ressaltou as desigualdades econômicas, raciais e regionais.

Portal Novos Tempos – Fonte: CNN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

E-mail: adautoferreira1958@hotmail.com